Califórnia cobra empresas a combater tráfico de pessoas
03-11-2010

Lei californiana obriga empresas que têm negócios no estado a publicar em seus sites na internet as políticas que vêm adotando para combater trabalho escravo e tráfico de seres humanos ao longo de suas cadeias produtivas

Por Blog do Sakamoto

A Califórnia aprovou uma lei que obriga empresas que têm negócios no estado a publicar em seus sites as políticas que vêm adotando para combater trabalho escravo e tráfico de seres humanos em suas cadeias produtivas. A lei já foi ratificada pelo governador Arnold Schwarzenegger.

A medida é aplicada a empresas com faturamento bruto de mais de 100 milhões de dólares e deve afetar cerca de 3 mil companhias, que representam quase 90% da atividade econômica do estado, segundo a organização Business for Social Responsability (BSR).

Com base nessa lei estadual, congressistas norte-americanos devem propor o mesmo modelo para o âmbito nacional. “A lei [federal] irá aumentar transparência, possibilitar consumidores a fazer escolhas melhores e mais bem informadas e motivar empreendimentos a garantir práticas humanas através de sua cadeia produtiva”, afirmou a deputada Carolyn Maloney, democrata pelo Estado de Nova Iorque.

Membros da mais importante organização social que atua no combate a esse crime nos Estados Unidos, a Free the Slaves, disseram que este é um passo importante no sentido da responsabilizar atores pelas suas cadeias produtivas. E ainda há um longo caminho a percorrer, é claro. A partir do momento em que uma grande empresa disser que não está fazendo nada em relação ao problema ou se mentir sobre o que faz e a mentira for descoberta, isso pode gerar um problema para a sua imagem.

A imagem é o ativo mais importante que elas têm e provavelmente não vão querer passar como aquelas que não querem fazer nada enquanto a concorrência decidiu sair na frente e enfrentar o problema. Não por bondade, mas por perceber que há consumidores interessados em comprar produtos que respeitem os seres humanos.

Por aqui, no Brasil, já estamos bem mais avançados em políticas de responsabilidade social empresarial ligadas ao combate ao trabalho escravo e ao tráfico de seres humanos.

 

*Texto extraído do Blog do Sakamoto