Documentário completa meio século e inspira festival
11-11-2010

Festival “Colhendo esperança” terá arte, educação e música para tratar da escravidão de trabalhadores imigrantes na Flórida. Em 1960, documentário sobre o tema apresentado pelo Edward Murrow foi transmitido pela TV

Por Maurício Hashizume

O jornalista Edward Murrow, que recentemente ganhou visibilidade internacional por causa do filme “Boa Noite e Boa Sorte” (2005), apresentou, em 1960, o documentário televisivo “Colheita da vergonha” (Harvest of Shame) na rede CBS, que revelava, já naquela época, as mazelas da exploração de trabalho escravo de imigrantes nas plantações do Sul dos Estados Unidos.

Trechos do histórico documentário podem ser vistos no YouTube. Umareportagem feita pela Televisão Pública de Iowa ajuda a contextualizar, 50 anos depois, o relevante material jornalístico produzido.

Passados 60 anos, o trabalho de Edward Murrow inspira o festival “Colhendo esperança” (Harvesting Hope), que terá início nesta sexta (12) e se estenderá por todo o fim de semana, na cidade de Naples, Flórida. O evento gratuito reunirá atividades de arte, educação e música com o intuito de conscientizar a população local a respeito da pobreza e da exclusão nas comunidades rurais formadas por migrantes que vivem no Estado e dos meios de ação direta que podem ajudar a melhorar a vida das famílias desses imigrantes submetidos a condições desumanas de trabalho.

Uma das ações concretas que será apresentada no festival organizado por dezenas de entidades religiosas, até por ocasião do feriado de Ação de Graças na última semana de novembro, é a campanha “Os trabalhadores rurais no campo também são família”, cujo objetivos central é pressionar a rede de supermercados Publix a assinar compromisso com os “Princípios da Comida Justa”, que estabelece padrões de tratamento aos colhedores de tomate da Florida. Os princípios, assinados por várias outras empresas do setor de alimentação, são parte dos esforços da Coalizão de Trabalhadores de Immokalee [Coalition of Immokalee Workers (CIW)], entidade civil engajada no combate à escravidão contemporânea nos EUA.

Para “encorajar” a empresa a fazer parte da iniciativa, os participantes pedem “centavos para a Publix”, ou seja, pretendem arrecadar dinheiro com a doação de moedas e “oferecer” os recursos à rede varejista. A intenção por trás do ato é constranger para que a Publix pague de modo mais justo os trabalhadores que colhem os tomates vendidos nas suas gôndolas.

A CIW calcula que os salários e as condições de vida dos trabalhadores rurais da Flórida melhorariam substantivamente se as companhias passarem a pagar um centavo de dólar a mais por libra colhida de tomate (confira vídeo especial). O pagamento médio atual é de cerca de US$ 50 (R$ 85) para cada 100 baldes de tomate, ou 3,2 mil libras (1.140 kg) colhidas. Segundo as organizações envolvidas, o valor pago é o mesmo há 30 anos.

Um centavo de dólar a mais por cada libra (450 gramas) de tomate elevaria o montante a ser recebido por 100 baldes colhidos de tomate, ou 3,2 mil libras (1.140 kg), de US$ 50 (R$ 85) para US$ 82 (R$ 140). Nos últimos meses, três das maiores empresas que cultivam tomate na Flórida já concordaram em pagar um centavo de dólar a mais por libra colhida.

Na tarde de domino (14h), os organizadores do festival “Colhendo Esperança” devem se concentrar em frente ao supermercado Publix de Naples para uma manifestação chamada de “Testemunho Pacífico Público”. Baldes de tomate com os centavos de dólares coletados do público serão entregues de forma simbólica aos representantes do mercado.