Sonda se compromete a cortar fornecedor da lista suja
11-04-2012

Após alerta feito pela reportagem, rede varejista promete parar de comercializar erva-mate de empresa flagrada explorando trabalho escravo

Por André Campos, da Repórter Brasil

O Sonda Supermercados, 4ª maior rede varejista do estado de São Paulo, anunciou nesta quarta-feira, 11 de abril, que vai deixar de disponibilizar a seus consumidores os produtos da Ervateira Regina. A decisão foi tomada após a reportagem da Repórter Brasil informar à rede varejista que a empresa sediada em Catanduvas (SC), especializada em beneficiar erva-mate para chimarrão, utilizou mão de obra escrava. Desde dezembro de 2010, a Ervateira Regina integra a “lista suja” do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), cadastro que arrola os empregadores flagrados por fiscais federais praticando esse tipo de crime.

“Inconcebível e de extrema gravidade, o fato noticiado exigiu imediata orientação e posicionamento dos departamentos responsáveis chamados à manifestação desta empresa, posicionados a oferecer direcionamento quanto à exposição e comercialização dos produtos da malsinada empresa”, anunciou por meio de nota assinada pelo departamento jurídico do Sonda (leia a íntegra).

Erva-mate que era comercializada pelo Sonda. Foto: André Campos

Os representantes afirmam ainda que o grupo “tem firme posicionamento e resoluto comprometimento em não permitir e jamais contratar qualquer empresa ou fornecedor, seja grande ou pequeno, que se utiliza de trabalho ilegal, exigindo-se dos mesmos indefectível comprometendo-se a não utilizar práticas de trabalho análogo a escravo ou de mão de obra infantil, salvo este último na condição de aprendiz, observadas as disposições da Consolidação das Leis do Trabalho, seja direta ou indiretamente, por meio de seus respectivos fornecedores de produtos e de serviços”.

A Ervateira Regina entrou para a “lista suja” em dezembro de 2010 por contra de uma fiscalização em outubro de 2009. Na ocasião, foram libertados 12 trabalhadores que extraíam erva-mate em uma fazenda de General Carneiro (PR). A situação verificada no local gerou 16 autos de infração à empresa, além de indenizações de R$ 15,6 mil.

Os signatários do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo utilizam a “lista suja” do MTE como referência para cortar relações comerciais com envolvidos em casos de escravidão. Atualmente, o Pacto conta com mais de 150 empresas signatárias, entre elas importantes representantes do varejo. O Grupo Sonda, no entanto, não é um deles.

Fundado nos anos 1960, o grupo controla 30 lojas – 23 da rede Sonda Supermercados e sete da Cobal Supermercados – e possui mais de sete mil funcionários. Em 2010, segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), seu faturamento bruto foi de R$ 1,6 bilhões – quase 20% a mais do que no ano anterior.

Até recentemente, era possível adquirir o produto no site da empresa

As condições no cultivo e colheita de erva-mate são um foco importante de graves violações trabalhistas. De acordo com informações compiladas pela Repórter Brasil, a “lista suja” abriga atualmente ao menos nove empregadores, do Paraná e de Santa Catarina, envolvidos com esse ramo de atividade. Somente em junho e julho de 2011 foram flagrados outros cinco casos de trabalho escravo no setor.