Mais de 25% das vítimas de tráfico humano são crianças
28-07-2014

Na próxima quarta-feira, 30 de julho, o tráfico humano e a exploração serão lembrados no 1º Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas. De acordo com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), “globalmente, mais de um quarto do número de vítimas de tráfico humano são crianças, mas em algumas regiões essa porcentagem pode ser ainda maior”. 68% delas são da África e do Oriente Médio, 39% da Ásia e Pacífico, 27% das Américas e 16% da Europa e Ásia Central.

O Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas foi aprovado pela Assembleia Geral das Nações Unidas em novembro do ano passado. No Brasil, o início da semana de mobilização será marcado com a iluminação em azul do Cristo Redentor, cartão postal do Rio de Janeiro, em alusão à cor da campanha “Coração Azul contra do Tráfico de Pessoas”, promovida pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC).

O tráfico de pessoas é caracterizado pelo “recrutamento, transporte, transferência, abrigo ou recebimento de pessoas, por meio de ameaça ou uso da força ou outras formas de coerção, de rapto, de fraude, de engano, do abuso de poder ou de uma posição de vulnerabilidade ou de dar ou receber pagamentos ou benefícios para obter o consentimento para uma pessoa ter controle sobre outra pessoa, para o propósito de exploração”. A definição encontra-se no Protocolo Relativo à Prevenção, Repressão e Punição do Tráfico de Pessoas, em Especial Mulheres e Crianças, complementar à Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional, conhecida também como Convenção de Palermo.

Informações: ONU e UNODC 

Leia também:

ONU mostra criminalização de vítimas do trabalho escravo

OIT adota novo protocolo para lidar com as modernas formas de trabalho forçado

Economia privada lucra US$ 150 bilhões anualmente com trabalho escravo, revela OIT