Brasil e Peru iniciam cooperação contra o trabalho forçado
26-08-2014

Especialistas do Brasil e do Peru participaram em Lima, entre os dias 18 e 22 de agosto, de uma missão de prospecção de cooperação sul-sul entre os dois países. O projeto de cooperação técnica com os peruanos tem o apoio da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e é financiado pelo Departamento de Trabalho dos Estados Unidos. O evento marcou o início das atividades do projeto “Consolidando e difundindo esforços para combater o trabalho forçado no Brasil e no Peru”.

Durante a cerimônia de abertura, o Brasil foi apontado como um país experiente no combate ao trabalho forçado, com mais de 46 mil trabalhadores resgatados entre 1995 e 2013. De acordo com estimativas da OIT, 1,8 milhões de pessoas são afetadas pelo trabalho forçado na América Latina.  Estiveram presentes a diretora da OIT para a América Latina e o Caribe, Elizabeth Tinoco; a vice-ministra do Trabalho e Promoção do Emprego no Peru, Sylvia Cáceres; o Embaixador do Brasil no Peru, Carlos Lazary Teixeira; e a representante da Embaixada dos Estados Unidos, Juan Requena.

A delegação brasileira foi composta pelo subprocurador-geral da República Oswaldo José Barbosa Silva, a Assessora-Chefe da Secretaria de Cooperação Jurídica Internacional, Georgia Diogo, além de representantes do Ministério Público do Trabalho, Ministério do Trabalho e Emprego, do Tribunal Superior do Trabalho, do Departamento da Polícia Federal e da Agência Brasileira de Cooperação.

Desde 2006 o Peru vinha solicitando ajuda à OIT para desenvolver estratégicas e políticas para o combate ao trabalho escravo. Em 2007, criou a Comissão de Luta contra o Trabalho Forçado e elaborou o seu primeiro Plano Nacional de Luta contra do Trabalho Forçado, reeditado e relançado no ano passado.

Informações: Justiça em Foco, Escritório Regional da OIT para América Latina e Caribe e OIT Brasil

Imagem: Google Maps