Seminário em Cuiabá (MT) debate a erradicação do trabalho escravo
11-12-2014

A Eletrobras Eletronorte, empresa associada curadora do InPACTO, realizou na última quarta-feira (10) um seminário sobre a erradicação do trabalho escravo, em Cuiabá (MT). O debate, que já foi realizado em outras localidades como  São Luis (MA), Belém (PA) e Tucuruí (PA), contou com a presença de representantes do Ministério Público do Trabalho, Ministério Público Federal , Ministério do Trabalho e Emprego, Superintendência Regional do Trabalho, Secretarias de Estado, Universidades e outros parceiros.

O principal  objetivo do seminário era sensibilizar e conscientizar fornecedores diretos e indiretos de Estatais e demais empresas, sobre a importância do compromisso com a promoção do trabalho decente e erradicação do trabalho escravo, bem como promover a assinatura e adesão simbólica de mais empresas ao Pacto Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo, cuja Eletronorte é signatária desde 2005.

Divulgação

Mércia Silva falou sobre o Instituto Ethos, apresentou o InPACTO e convidou os fornecedores presentes a aderirem simbolicamente ao Pacto Nacional

O evento teve também a participação de representantes do Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo (InPACTO),  da Organização Internacional do Trabalho , Instituto Ethos e Instituto Observatório Social, Ammagi  como palestrantes.

A atuação do MPT, fiscalizações, penalidades, legislação aplicável e procedimentos adotados pela SRTE, estiveram entre os temas apresentados no seminário, que também ressaltou a importância da adesão dos fornecedores presentes ao InPACTO, e destacou experiências de empresas como o grupo Amaggi e a Eletronorte no combate ao trabalho escravo.

Também foram apresentados dados gerais sobre trabalho escravo no Brasil e no mundo, a incidência da exploração de mão de obra escrava no Mato Grosso e impactos na economia e nas empresas.

Sobre o InPACTO

O Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo (InPACTO) é responsável pela gestão, fortalecimento e ampliação das ações realizadas no âmbito do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo. Fundado em novembro de 2013, é resultado da exitosa experiência do Pacto, que desde 2005, com o apoio do Instituto Ethos, Instituto Observatório Social, Repórter Brasil e Organização Internacional do Trabalho, tem se destacado no cenário nacional e internacional por unir o setor privado e entidades da sociedade civil para prevenir e erradicar o trabalho escravo nas cadeias produtivas.

Ao longo dos últimos anos, o número de signatários do Pacto cresceu tanto que ao alcançar a marca de 400 – representando cerca de 30% do PIB brasileiro – surgiu a necessidade de se criar uma nova estrutura para melhorar a sua capacidade de resposta e fortalecer a sua governança para o enfrentamento ao trabalho escravo. Fundado em novembro de 2013, o InPACTO é atualmente gerido por organizações da sociedade civil e empresas.