InPACTO participa de ato no Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo
28-01-2015

O InPACTO esteve presente, nesta quarta-feira (28) no Ato Público de Cidadania realizado em frente à sede do Supremo Tribunal Federal, em Brasília, para lembrar os onze anos do crime conhecido como a Chacina de Unaí, que teve três auditores fiscais do trabalho mortos durante uma operação de fiscalização na zona rural de Unaí, em Minas Gerais. Após mais de uma década, apenas três dos nove indiciados foram julgados. O ato, organizado pelo Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait), pede que o julgamento seja realizado em Belo Horizonte, longe da influência política e econômica que a maioria dos réus tem sobre a cidade de Unaí.

Mércia C Silva / InPACTO

Ato em Brasília lembra os onze anos da Chacina de Unaí (MG) e pede julgamento em Belo Horizonte

Representantes de entidades integrantes da Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae) também estiveram presentes. Em homenagem aos servidores assassinados, o dia 28 de janeiro é lembrado como Dia do Auditor-Fiscal do Trabalho e Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. A Fiscalização do Trabalho resgatou, nos últimos 20 anos, quase 50 mil trabalhadores em condições de escravidão. A impunidade da Chacina de Unaí colabora para a continuidade da prática de exploração de trabalhadores e a violência contra fiscais, que lidam frequentemente com ameaças em um cenário que anuncia a possibilidade de novas tragédias.

Saiba mais sobre a Chacina de Unaí, acesse o link da Sinait com o histórico do caso.

* Com informações de Sinait

Imagem: Mércia C Silva / InPACTO