Caso Bangladesh: Petição pede que Benetton pague indenizações
13-02-2015

Noventa segundos. Em apenas noventa segundos um prédio de oito andares desmoronou em Bangladesh, em abril de 2013, causando a morte de 1.134 trabalhadores de confecções que funcionavam no edifício. O pior acidente industrial do país também teve cerca de 2.500 feridos. Alguns sobreviventes tiveram que cerrar o próprio corpo para escapar.

Diante da tragédia, a ONU montou um esquema de responsabilização corporativa para ajudar os sobreviventes e familiares das vítimas a receberem as suas indenizações. A iniciativa foi bem sucedida, mas nem todas as empresas assumiram as suas responsabilidades. Entre as marcas que produziam no local, a italiana Benetton é a única internacional, com vínculos inquestionáveis com o acidente, que se recusa a pagar as indenizações.

Para ajudar a pressionar a empresa, uma petição criada pela rede de campanhas globais Avaaz pretende fazer chegar ao presidente da Benetton uma mensagem – em forma de petição com pelo menos um milhão de assinaturas – pedindo que a marca participe deste esquema organizado pela ONU e pague as indenizações devidas.

No mesmo ano do acidente, a Benetton obteve um lucro de 139 milhões de euros. Segundo a petição, “a marca argumenta que cumpriu o seu dever por ter doado uma quantia não revelada a uma instituição de caridade local”.

Clique aqui para assinar a petição.