Índios e haitianos são vítimas de trabalho escravo em fazendas em Mato Grosso
12-03-2015

Os membros da Comissão Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo em Mato Grosso (Coetrae-MT)  estão preocupados com a situação dos indígenas e haitianos. Trabalhadores dos dois grupos têm sido alvo de aliciadores e acabam como vítima de trabalho em condições análogas à escravidão.

O sociólogo Inácio José Werner, do Centro Burnier Fé e Justiça (CBFJ) e membro do Fórum Estadual de Erradicação do Trabalho Escraco (Foete) afirmou em entrevista ao Diário de Cuiabá,no dia 11 de março, a existência de denúncias relacionadas a índios que estariam sendo aliciados para trabalhar em fazendas do interior do Estado. O mesmo acontece com os haitianos, que se deslocam para cidades em Mato Grosso e são encontrados em situações de trabalho ilegal.

Cerca de cinco mil haitianos desembarcaram em Cuiabá (MT) nos últimos meses. De acordo com o depoimento de Werner ao Diário de Cuiabá, um grupo encontra-se em situação humana precária. Já no caso dos índios, as denúncias são de aliciamento para trabalhar a troco de nada. Além disso, estariam consumindo droga e álcool e retornando viciados para as aldeias.

Valdiney Arruda, secretário de Trabalho e Assistência Social (Setas) e presidente do Coetrae, em entrevista ao Diário de Cuiabá, associou a prática de exploração de mão de obra escrava a uma cultura de empregadores que ainda não foi erradicada, o que faz com que este crime seja comum.

*Com informações do Diário de Cuiabá

Imagem: Google Maps