Startup monitora cadeias produtivas do setor têxtil nos Estados Unidos
23-07-2015

A MadeRight, uma startup criada nos Estados Unidos, está facilitando a vida de empresários do ramo têxtil que querem manter seus negócios livres de trabalho escravo, condições precárias e baixos salários. A empresa atua como intermediária entre as marcas, fábricas têxteis e fornecedores de logística e transporte e participa da StartX, um programa acelerador apoiado pela Universidade de Stanford que trabalha com mais de 50 fábricas auditadas por parceiros.

A MadeRight começou a atuar em março deste ano e já possui 40 marcas inscritas, que incluem desde designers de primeira viagem até empresas de vestuário no valor de US$ 100 milhões.  A empresa realiza controles regularmente para garantir que os fabricantes mantenham condições de trabalho seguras, não utilizem mão de obra infantil ou forçada e ofereça pausas suficientes aos trabalhadores.

O modelo também ajuda na qualidade e padronização dos produtos e no cumprimento dos prazos de entregas. A maior parte dos parceiros de fabricação da MadeRight – todos com políticas transparentes – estão na China, mas alguns deles também se encontram no Japão, México, Itália e Guatemala.

*As informações são do TechCrunch.

Imagem: Public Domain