Justiça condena fazendeiro a 91 anos de cadeia por trabalho escravo no Pará
08-09-2015

O fazendeiro Lindomar Resende Soares foi condenado pela Justiça Federal a 91 anos de prisão em regime fechado. Ele é acusado de manter 31 trabalhadores em condições degradantes em sistema de escravidão por dívida, em que os empregados são obrigados a comprar comida e equipamentos no armazém da propriedade.

A denúncia foi feita após fiscalização do MTE, em maio de 2006, na propriedade de Lindomar em Ulianópolis, no Pará, cerca de 400 Km de Belém. Os fiscais constataram a presença de trabalhadores sem carteira de trabalho alojados em barracos de lona, com piso de terra batida, sem instalações sanitárias, sem acesso à água potável, consumindo comida estragada, sem nenhum equipamento de proteção para o trabalho na terra e com salários extremamente baixos.

Além disso, foram identificadas duas crianças que ajudavam na preparação da comida e na limpeza do alojamento. Segundo o Ministério Público Federal no Pará, em depoimento à Justiça Federal o fazendeiro confirmou a situação dos trabalhadores, mas disse que a responsabilidade era do capataz contratado para trazer os funcionários para a fazenda.

O fazendeiro é filho de Davi Resende, prefeito de Ulianópolis, morto no ano passado em um naufrágio no Rio Xingu. Além da sentença de prisão em regime fechado, o juiz aplicou multa de 283 mil reais ao fazendeiro. Lindomar Resende Soares ainda poderá recorrer em liberdade. A reportagem não conseguiu localizar o fazendeiro e seu advogado, e procurado, o MPF preferiu não comentar o caso.

Fonte: Radiojornalismo EBC

Imagem: Google Maps