InPACTO lançará manual de boas práticas contra o trabalho escravo
17-11-2015

Em 2015, o Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo completou 10 anos de existência. Ao longo dessa jornada, acompanhamos e estimulamos ações lideradas por empresas, com o intuito de unir esforços para o enfrentamento do trabalho escravo no país, visando a prevenção e a erradicação desse grave problema, que ainda está disseminado nas cadeias produtivas de diversos setores da economia.

Por entendermos que as empresas são parceiras na busca da solução, resolvemos fazer uma coletânea de boas práticas empresariais, que podem nortear as ações de outras corporações e setores para fomentar seu engajamento e vontade de combater essa grave violação de direitos humanos em suas cadeias produtivas.

Para isso, convidamos um grupo de empresas a compartilhar informações sobre suas boas práticas. Aquelas que aceitaram nosso convite receberam um questionário e foram chamadas também a dar entrevistas para a produção de um vídeo.

 

Manual

Com o propósito de valorizar e estimular essas ações realizadas pelas empresas, o InPACTO – Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo – está produzindo um manual de boas práticas empresariais. Para isso, foram selecionadas 10 ações que consideramos inspiradoras e possíveis de serem replicadas em todo o setor privado.

Algumas ações são pontuais, outras existiram apenas em uma fração de tempo, mas foram suficientes para impactar uma cadeia produtiva e mudar o cenário em áreas de incidência de trabalho escravo. Outras ações tiveram maior sustentabilidade, necessitaram um maior grau de investimento ou implicaram em uma necessidade de estabelecer estratégias mais efetivas e aprofundadas.

Não obstante, podem ser consideradas práticas que contribuíram ou contribuem para um contínuo esforço de mitigar riscos para preservar a dignidade dos trabalhadores e promover a sustentabilidade social. No que diz respeito ao enfrentamento do trabalho escravo, todos os esforços nesse sentido são valiosos para seu enfrentamento.

O manual, que será lançado brevemente, não tem e não terá o propósito de estabelecer qualquer ranking ou premiação às empresas que tiveram suas práticas selecionadas, já que não houve uma escolha baseada em critérios comparativos.

O manual também não terá o propósito de certificar empresas. Trata-se exclusivamente de uma ferramenta de comunicação, sensibilização e sistematização de boas práticas empresariais nesse tema. O objetivo será, tão somente, despertar outras empresas para o fato de que é possível, sim, fazer a diferença.

Dentre as ações previstas no estatuto do InPACTO, está a de criar instrumentos e aperfeiçoar os já existentes, bem como difundi-los entre as empresas e a sociedade.

Fiquem atentos à divulgação do manual, e inspirem-se para aderir a esse movimento de mudança.

Imagem: Pixabay