“Trabalho decente é fundamental para reduzir a pobreza no mundo”, aponta OIT
20-05-2016

Novo relatório da OIT conclui que mais de 36% do mundo emergente e em desenvolvimento vive na pobreza, com uma renda diária menor que US$ 3,10 de Paridade de Pode Aquisitivo (capacidade de adquirir bens materiais).

Segundo o relatório, para erradicar a pobreza extrema e moderada globalmente em 2030 são necessários cerca de US$ 600 bilhões por ano. Porém, o problema da pobreza persistente não pode ser resolvido apenas por transferências de renda. Mais e melhores empregos são cruciais para atingir este objetivo.

A estimativa é de que quase um terço dos extremamente ou moderadamente pobres nas economias em desenvolvimento têm empregos, mas muitas vezes não são remunerados ou ocupam posições de baixa qualificação.

De acordo com Raymond Torres, assessor especial da OIT para questões sociais e econômicas, “Neste momento, 30% do mundo é pobre, mas detém apenas 2% da renda global”. A declaração foi publicada no site da organização.

Ele disse ainda que “somente através da melhora deliberada na qualidade dos postos de trabalho para aqueles que têm empregos e da criação de novos empregos decentes será possível fornecer uma saída duradoura das condições de vida precárias e melhorar os meios de subsistência para os trabalhadores pobres e suas famílias”.

O estudo também conclui que níveis altos de desigualdade de renda reduzem o impacto do crescimento econômico sobre a redução da pobreza. Sobre esta constatação Torres afirmou que “esta descoberta nos diz que já é mais do que hora de refletir sobre a responsabilidade dos países e indivíduos ricos na perpetuação da pobreza. Aceitar o status quo não é uma opção”.

Saiba mais sobre a nova pesquisa da OIT, leia a reportagem “Objetivo sobre pobreza da Agenda 2030 em risco sem trabalho decente”, no site da organização.

*Com informações da Organização Internacional do Trabalho

Imagem: Pixabay