Empresas do setor agropecuário criam cartilha para atuação socioambiental
14-09-2016

Empresas signatárias da Rede Brasil do Pacto Global das Nações Unidas lançaram a cartilha “Princípios Empresariais para Alimentos e Agricultura”, resultado de um ano de trabalho e consulta a mais de mil instituições e empresas em todo o mundo.  O documento, com patrocínio do Grupo AMAGGI, Monsanto, BASF e Novozymes, servirá de guia para a atuação socioambiental de empresas do setor de alimentos e agricultura e direcionará os esforços empresariais para o cumprimento das metas da Agenda 2030 da ONU.

O evento de lançamento aconteceu durante o encontro “Alimentos e Agricultura: Setor Privado rumo à Agenda de Desenvolvimento da ONU”, na sede da BM&FBOVESPA, em São Paulo, no final do mês de agosto. O InPACTO, apresentado na cartilha como referência no combate ao trabalho escravo, participou do evento, representado pela secretária executiva do Instituto, Mércia Silva.

Na cartilha, são apresentados seis princípios empresariais, cada qual com diversos temas e frentes de atuação. Entre os princípios destacadas para guiar as políticas socioambientais das empresas estão:

1) Promover a segurança alimentar, saúde e nutrição;
2) Ser ambientalmente responsável;
3) Garantir viabilidade econômica e compartilhar valores;
4) Respeitar os direitos humanos, criar trabalho digno e ajudar as comunidades rurais a prosperarem;
5) Incentivar a boa governança e responsabilidade e
6) Promover o acesso e a transferência de conhecimento, habilidades e tecnologia.

A gerente de sustentabilidade do Grupo AMAGGI e coordenadora do Grupo Temático de Alimentos e Agricultura da Rede Brasil do Pacto Global, Juliana De Lavor Lopes, explica que os princípios apresentados na cartilha começaram a ser discutidos na Rio +20 e na 70º Assembleia Geral da ONU, em 2015. “Adaptamos os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável propostos em conferência da ONU e direcionamos para a realidade do setor. O pedido das empresas era o de não duplicar ou propor novas diretrizes, mas criar e compartilhar princípios já existentes ou que serão implementados”.

O Grupo Temático (GT) Alimentos e Agricultura é composto por 28 empresas – todas ajudaram no processo de construção da cartilha. De total de empresas do GT, quatro são associadas ao InPACTO. “A publicação lança novos paradigmas no setor de alimentos e agricultura, pautada pelo desenvolvimento sustentável”, afirma Juliana Lopes, que é também associada curadora do InPACTO.

Com a iniciativa pioneira, as empresas que compõem o GT de Alimentos e Agricultura se comprometeram, em 2017, a realizar novas reuniões e painéis para discutir os avanços obtidos com a cartilha. “O Brasil não é só o celeiro do mundo. Queremos mostrar o pioneirismo brasileiro e que o setor pode ser sustentável”, salienta Juliana Lopes.

Cases de sustentabilidade
No evento, representantes do Grupo AMAGGI, Monsanto, BASF e JBS mostraram exemplos colocados em práticas de princípios apresentados na cartilha. Com tecnologia e inovação, a BASF apresentou o caso do cultivo de arroz de um produtor do Rio Grande do Sul que padecia com as pragas que dizimavam a lavoura. O investimento em pesquisa, seguido de um manejo correto da plantação, permitiram um aumento na produção do agricultor. “A empresa não é só pagadora de impostos. Ela tem um papel protagonista e essencial na aplicação de ferramentas de tecnologia e inovação”, avalia Roberto Araújo, direitor-presidente da Fundação Espaço ECO, centro de excelência para ecoeficiência aplicada na América Latina, instituída pela BASF em 2005.

Rede Brasil do Pacto Global:
O Pacto Global, criado em 2000, é uma iniciativa desenvolvida pelo ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, com o objetivo de mobilizar a comunidade empresarial internacional para a adoção, em suas práticas de negócios, de valores fundamentais e internacionalmente aceitos nas áreas de direitos humanos, relações de trabalho, meio ambiente e combate à corrupção. A Rede Brasil do Pacto Global surgiu em 2003 e, atualmente, são 770 empresas signatárias no país.

Poliana Dallabrida/Repórter da Papel Social
Foto: Fellipe Abreu/Rede Brasil do Pacto Global