Diretora executiva do InPACTO fala sobre os desafios da luta contra o trabalho escravo
29-08-2017

Por trás do sorriso, Mércia Consolação Silva carrega a determinação da luta diária contra o trabalho escravo. Os desafios são grandes, mas a sua disposição para enfrentá-los é enorme.  “Se eu vejo uma porta fechada, eu busco outra. Eu tenho que tentar outra”, afirma. É desta forma que  a diretora executiva do InPACTO trabalha em parceria com empresas, ONGs e governo em busca de soluções coletivas para erradicar o trabalho escravo nas cadeias produtivas brasileiras.

Assista ao vídeo produzido pelo Instituto C&A e saiba mais sobre o trabalho e a história de Mércia. A entrevista faz parte de uma série com pessoas que ajudam a fazer “uma moda do bem”.  

Perfil: A História de Mércia from InPACTO on Vimeo.

Uma parte do depoimento de Mércia também está no Relatório Anual 2016 do Instituto C&A. Confira abaixo:  

Alguém me disse uma vez que, para ser feliz, você tem de ser ignorante. Mas eu não sou ignorante. E não posso ficar feliz com a situação no Brasil. Quando criança, eu queria ser arquiteta ou engenheira. Mas me disseram que eu não podia porque era uma menina. Isso me motivou a dedicar minha vida à mudança. Me juntei ao InPACTO em 2013 para apoiar as empresas a manter suas cadeias de fornecimento livres do trabalho escravo, um problema que afeta, desproporcionalmente, as mulheres marginalizadas.

Nós existimos para trazer as pessoas certas à mesa, desde marcas e fornecedores até governo e organizações sem fins lucrativos, para discutir as barreiras à mudança e encontrar as melhores soluções. Tradicionalmente, esses atores não estão abertos ao diálogo uns com os outros. Entendo que a ação coletiva é a única forma de confrontar um problema tão profundamente arraigado. Para resolver problemas, é preciso conversar e nenhuma voz deve ficar de fora da discussão.

Em 2005, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e três organizações brasileiras sem fins lucrativos criaram o Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo. Ao assinarem esse pacto, as empresas participantes estavam reconhecendo a existência da escravidão no Brasil e se comprometendo com dez princípios para uma cadeia de fornecimento justa e equitativa. Embora muitas grandes marcas tenham assinado o pacto, o avanço estancou. Isso ocorreu porque as causas básicas da escravidão não foram resolvidas.

A profunda discriminação de gênero e a desigualdade racial que temos significa que nossa cultura ainda aceita que certas pessoas sejam tratadas como mercadorias. Então, temos cadeias de fornecimento opacas a serviço de um mercado ansioso por produtos e mão de obra baratos. Essas forças subjacentes comandam o trabalho escravo e são complexas e demoradas para se enfrentar.

O InPACTO existe para revigorar o Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo, apoiando mais empresas a se comprometerem com ele e dando a elas o poder de realizar ações mais efetivas com base em seus princípios. Pedimos às empresas associadas para trabalhar de modo colaborativo, a fim de criar planos de ação de curto, médio e longo prazo em torno de certos objetivos principais, tais como empregar trabalhadores egressos do trabalho escravo, validar fornecedores de forma mais rigorosa e promover o trabalho decente. Também oferecemos acesso a ferramentas fundamentais, tais como monitoramento da cadeia de fornecimento, avaliação de desempenho em relação aos compromissos do Pacto, benchmark e treinamento.

Hoje, estamos continuando nosso trabalho com as maiores empresas do Brasil. E, juntos com o Instituto C&A, estamos criando um programa para dialogar com outras empresas do setor têxtil. Queremos mostrar para elas a importância de participar do InPACTO e, a partir daí, esperamos ajudá-las em seus planos de ação para erradicar a escravidão.

Está claro que ainda temos um longo caminho a trilhar para erradicar o trabalho escravo no Brasil. Mas estou cada vez mais esperançosa. Acredito que as pessoas – e, portanto, as empresas, que são feitas de pessoas – podem mudar. Simplesmente temos de trabalhar juntos.

Para conhecer as iniciativas do Instituto C&A e saber mais sobre ações e histórias de seus parceiros, acesse o relatório completo através do link: http://relatorioanual2016.institutocea.org.br/