Ministério do Trabalho atualiza “lista suja” do trabalho escravo
18-04-2018

O Ministério do Trabalho, por meio da Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo (DETRAE), divulgou na última sexta-feira nova atualização do cadastro de empregadores que tenham submetido trabalhadores a condições análogas às de escravo, a chamada “lista suja”.

A relação de empresas responsabilizadas por esse crime traz 165 empregadores, entre empresas e pessoas físicas, responsáveis por manter 2.264 trabalhadores em situação análoga à escravidão. Com a atualização do cadastro, 37 novos empregadores passaram a integrar a “lista suja” do trabalho escravo.

Vale informar que todos os empregadores mencionados no cadastro foram autuados por trabalho análogo ao de escravo por auditores fiscais e tiveram o direito de recorrer em duas instâncias administrativas dentro do órgão.

“A ‘lista suja’ é um importante mecanismo público de transparência do Estado Brasileiro. Reconhecer sua legitimidade e definir restrições comerciais a pessoas físicas e jurídicas inseridas nela são procedimentos de prevenção e combate ao trabalho escravo”, afirma a diretora executiva do InPACTO, Mércia Silva, destacando que os associados do instituto assumem esses compromissos e são monitorados anualmente.

Para ter acesso ao Cadastro de Empregadores que tenham submetido trabalhadores a condições análogas à de escravo, clique aqui.

Quer saber mais sobre a “lista suja” e o que caracteriza a escravidão contemporânea? Acesse: Entenda a “Lista Suja”.